Descubra quais são os maiores mitos sobre colchões


Com o advento da internet, o acesso à informação cresceu consideravelmente, mas junto com ela veio também a propagação de informações falsas. Ao fazer uma busca rápida sobre colchões é possível encontrar uma infinidade de mitos divulgados como se fossem verdade. Portanto, tome cuidado. Se você está pensando em trocar o seu colchão, procure informações em locais confiáveis. Para te ajudar nesse trabalho, separamos algumas das fake news que mais circulam por aí e explicamos porque você não deve confiar nelas. Fique ligado!


Colchão bom é colchão caro

Temos a tendência a achar que preço é sinônimo de qualidade. Mas nem sempre essa lógica funciona. Na verdade, o conforto de um colchão está muito mais ligado a fatores como peso e altura da pessoa que irá utilizar a peça e modelo, tamanho e material de preferência. O mais importante é verificar se o produto possui certificações de qualidade do Iner ou Inmetro.


Quanto maior a densidade, mais duro o colchão

Muita gente acredita que a densidade de um colchão está diretamente relacionada a sua maciez. Porém, a densidade significa apenas a quantidade de espuma por metro cúbico que existe em uma peça. Um modelo mais denso não necessariamente será mais duro. Na verdade, a dureza ou maciez de um colchão tem a ver com o tipo de material usado na confecção da peça, principalmente em sua cobertura.


Saiba como escolher o colchão certo de acordo com a densidade nesse post.

Colchão ortopédico é duro

Não é difícil encontrar pessoas que acreditam no mito de que o colchão ortopédico é sempre duro. Realmente, alguns colchões ortopédicos possuem uma base de madeira, mas também contam com uma boa camada de materiais, como látex, viscoelástico e espuma de poliuretano. Independente da matéria-prima utilizada, eles são montados para moldar-se ao corpo do usuário. Ou seja, para serem confortáveis eles precisam ser escolhidos de acordo com o perfil de quem vai utilizá-lo.


Descubra os mitos e verdades sobre colchões ortopédicos, clicando aqui.

Colchões podem curar doenças

Nunca caia nesse mito. Colchão nenhum tem o poder de curar doenças, nem o ortopédico, nem o magnético. O que eles podem fazer por você é ajudar a aliviar alguns tipos de dores, como do ciático, lombar, artrose ou artrite. Mas devem ser escolhidos com muito cuidado, levando em consideração o biotipo de cada pessoa. Dessa forma, eles conseguirão manter uma sustentação adequada, promover uma melhor circulação e atenuar esses os problemas mencionados.


Colchão de molas é pior do que o de espuma

Há várias pessoas que acreditam que o colchão de molas é pior do que o de espuma. Algumas delas chegam a dizer que as molas podem prejudicar o campo magnético do corpo. Outras que o modelo com molas é muito macio e pode prejudicar a saúde. Nenhuma dessas informações pode ser considerada verdadeira. O que você precisa saber sobre qualquer tipo de colchão é que ele deve ser escolhido sempre de acordo o seu tipo de corpo.


O colchão deve ser trocado quando deforma

A melhor maneira de saber quando trocar o seu colchão é verificando o prazo de validade do fabricante. O mais comum é que esse tipo de produto dure cerca de cinco anos, seja o de mola ou de espuma. Esperar o colchão deformar para adquirir um novo pode ser arriscado, pois quando isso ocorre a peça normalmente já está gasta e não proporciona mais a mesma sustentação.


Gostou das informações que separamos para você? Você conhece outros mitos sobre colchões? Então compartilhe com a gente e ajude nossos leitores a escapar deles.



33 visualizações0 comentário

Colchões

Outros reviews

Box de colchão

Travesseiros

Destaques

  • Instagram

© 2020 por Qual O Melhor Colchão